sábado, 16 de junho de 2012

Jornada da Alma




Outro dia postei aqui The Dangerous Method (sobre o relacionamento entre Jung, Sabina Spielrein e Freud) e Lucimara Fernandes nos advertiu: “Para saberem melhor da relação de Sabine com Jung, é mais fidedigno o filme ‘Jornada da Alma’...".

PRENDIMI L’ANIMA (2002) de fato, é um filme focado na história da fantástica vida da genial russa Sabina Spielrein, e Jung acaba ocupando um afetivo e emocional plano de fundo (Freud nem aparece) nesta emocional obra do diretor italiano Roberto Faenza.

A atriz Emilia Fox (O Pianista), mais uma vez ofereceu uma espetacular atuação, marcante e impressionante! Difícil “se livrar” de Sabina Spielrein nos momentos seguintes ao final do filme.

O ator Iain Glen (A Dama de Ferro) construiu um Jung fascinante e humano em suas dúvidas e angústias que o aprisionavam num redemoinho de emoções.

Entretanto, Faenza parece ter se preocupado muito mais com a história romântica e aspectos biográficos de Sabina Spielrein, do que com questões psicanalíticas mais aprofundadas.

Destaque para a cena em que Jung e Sabina vão à Ópera e Jung não controla o choro na cena final de Tristão e Isolda; se retira para o saguão do teatro, seguido por Sabina, onde se senta para chorar. Sabina senta-se ao lado dele, pega suas mãos e lhe pergunta por que ele está tão frio. Jung, chorando de soluçar, responde: “Eu estava tão contente” e Sabina pergunta: “O que aconteceu?” e Jung exclama, arrebatado: “Maldita Felicidade!”

Ao fundo, ouve-se a melodia do último ato de Tristão e Isolda.

A trilha sonora, aliás, é conduzida para nos emocionar.  Tum Balalaika traduz a essência da fabulosa russa Sabina Spielrein, que chegou histérica até Jung; foi curada por ele e a ele curou; a ele amou e por ele foi amada, mas retirou-se da cena social da vida de Jung, constituiu sua própria família e retornou para a Rússia onde atuou como psicanalista e contribuiu enormemente na área do desenvolvimento infantil, além de ter passado por suas mãos ninguém menos que o pequeno tirano, Stalin.

As referências aos poetas russos Boris Pasternak e Mayakovsky também nos colocam em estado de emoção.

Lamentavelmente, Sabina Spielrein foi fuzilada com sua filha (há informações fora deste filme de que seriam 2 filhas) pelos nazistas em 1942.

O nada ortodoxo romance havido entre Jung e Sabina, só veio a público em 1977, com a localização de seu diário e de cartas trocadas entre ela, Jung e Freud.

O filme é belo, mas muito emotivo... No meu modo de sentir, DangerousMethod traz mais signos para desvendar. Mas é um belo filme, eu recomendo!

Postar um comentário