domingo, 12 de janeiro de 2014

GRAVITY (2013)

O mexicano Alfonso Cuarón nos presenteia com este filme tão bonito, onde a grandeza externa do Universo contrasta com as angústias que permeiam nosso universo interno.

O que parece, e talvez, esteja classificado como, uma obra de ficção, é, na verdade uma obra que diz muito mais com o psiquismo do que com ficção científica.

Tanto que Cuarón não deu a mínima para as críticas de astronautas apontando erros científicos no filme, como a posição dos cabelos dos atores em órbita e coisas do gênero.

É que o filme orbita mesmo em torno de questões muito mais subjetivas do que técnicas. Que surpresa grata para quem, como eu, não é chegada em ficção científica!

Gravity fala sobre a vida e sobre a necessidade de renascer. Ótimo para os que temos nossas dificuldades com nascimentos e recomeços!

Fala sobre a vida de uma forma simples, como a vida deve ser, se utilizando de um roteiro minimalista e de um argumento clichê: a doutora Ryan Stone, interpretada por Sandra Bullock, perdeu uma filha de 4 anos e está no espaço para consertar o telescópio Hubble junto a uma tripulação que morre toda logo no começo e o astronauta experiente Matt Kowalski (George Clooney) passa tempo suficiente ao seu lado para lhe perguntar se tem alguém na Terra olhando para cima a sua espera.

Aliás, o roteiro é do próprio Alfonso em parceria com seu filho, Jonas Cuarón.

A luta da astronauta envolve graves fatores externos (alheios a sua vontade), mas quem decide se quer continuar VIVA é a própria personagem.

A grandeza do humano, tão pequeno diante do Universo imenso!

Um belo filme que, apesar do argumento clichê, foge do lugar comum ao falar de recomeço e de VIDA de uma forma tão original.

A aterrisagem da astronauta na Terra, depois que ela faz sua opção pela VIDA, o modo como submerge do mar é cena de grande simbolismo: a origem da vida, o recomeço, a vida original se (re)formando para sair caminhando cambaleante em direção a terra firme.

A astronauta nas águas de um útero maior, dando a luz a si mesma. O parto. As dificuldades de vir à luz, de nascer, o que só se torna possível a partir do desejo. A pulsão original que gerou a vida na Terra e que faz a gente nascer e renascer a cada dia.

Gravity foi o filme de abertura do Festival de Veneza 2013.

Tenho que concordar com a declaração de Alfonso Cuarónde que Gravity é o "melhor filme de espaço já realizado".


O Globo de Ouro de Melhor Direção ele já levou.
Postar um comentário